Francisco Rüdiger é Doutor em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1995) e Mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1987).

Professor titular da Faculdade de Comunicação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1985), também leciona no Departamento de Filosofia e nos Cursos de Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (nesse caso, desde 1990). 

Entre 1984 e 1990, foi professor da Universidade de Caxias do Sul e, depois, do Instituto Federal de Ensino Técnico e Tecnológico (Campus Porto Alegre, 1990-2008). Antes disso, foi professor da rede pública de ensino do Rio Grande do Sul e exerceu funções de arquivista e pesquisador no Museu Hipólito José da Costa (Porto Alegre, 1978-1988).

Autor de 18 obras relacionadas com seu campo de especialização, colabora regularmente em revistas acadêmicas e é parecerista de periódicos como Galáxia (Pucsp), Comunicação, Mídia e Consumo (ESPM=SP), Civitas (Pucrs),Estudos de Sociologia (Unesp), Comunicação & Sociedade (Metodista SBC) e Fronteiras (Unisinos).

Recebeu por duas vezes (2000, 2016) o prêmio Luiz Beltrão de Ciências da Comunicação (Intercom).

Dedica-se academicamente à história das ideias e à reflexão crítica nos domínios da indústria cultural, teoria social e filosofia da técnica, incluindo-se aí trabalhos sobre fenômenos de cultura de massas, jornalismo, propaganda, cibercultura, etc. 

Dentre suas principais obras, mencione-se "Origens do pensamento acadêmico em jornalismo" (2017), "O mito da agulha hipodérmica e a era da propaganda" (2015), "A mídia e o amor" (2013),  "Cibercultura e pós-humanismo" (2008), "Martin Heidegger e a questão da técnica" (2006/ 2014), "Theodor Adorno e a crítica à indústria cultural" (1998/2003) e "Literatura de auto-ajuda e individualismo" (1996). 


Contato: frudiger33@gmail.com

               Alerta: O twitter com conta em meu nome não é de minha autoria ou responsabilidade!

"O twitter, via de regra, é expressão da petulância vazia e do narcisismo mendicante que imperam em tempo marcado pela crescente e acelerada massificação dos relacionamentos humanos ."
Wolfgang Neugebauer